Harmonização

Como fazer harmonização de vinhos sem cometer erros desastrosos

Certamente, você já deve ter passado por algo do tipo: preparou um menu maravilhoso para servir aos convidados e, na hora da harmonização de vinhos, não sabia o que fazer, correto? Pois bem. Para quem adora uma boa refeição e não quer cometer um erro desastroso, é essencial saber combinar os sabores. E, diga-se de passagem, não adianta considerar apenas o gosto pessoal no momento da escolha das bebidas, isto porque cada sabor possui características específicas, quem podem ser acentuados ou encobertos pelo vinho.   

Mas, você sabe como fazer a harmonização sem cometer erros desastrosos? Não se desespere! O primeiro passo, não é comprar o vinho mais caro, mas sim, conhecer os tipos de harmonização indicados pelos enólogos e chefes entendidos no assunto, que podem ser: por similaridade, contraste ou etnia ou modo de cocção e estilo de bebida. Vamos conhecer como funciona cada uma delas? Continue acompanhando!

Pratos para acompanhar vinhos

Como fazer harmonização de vinhos por similaridade

Este talvez seja o modo mais simples de realizar a harmonização de pratos e vinhos, especialmente para aqueles que são iniciantes na arte da enologia. Isto porque a harmonização por similaridade pode ser realizada de diferentes modos. Por exemplo: podemos levar em conta o peso do prato, a combinação de sabores marcantes, o contraste de sabores mais suaves. Ainda não ficou claro? Vamos lá que você já vai entender o processo.

Se a opção é massa com molho à base de tomate, os vinhos mais recomendados são os que possuem acidez pronunciada. Os tintos como os Chianti são ideais. Harmonizam, adequadamente, também os produzidos com a uva Merlot ou os rosés mais encorpados. A sugestão, neste caso, são os argentinos ou os brasileiros. Mas, atenção: se o molho da massa incluir carne, melhor servir com um Cabernet Sauvignon. Para molho branco, os vinhos brancos mais encorpados como Chardonnay ou tintos mais delicados, como Pinot Noir, Beaujolais. O exemplo ilustra bem o que é a harmonização por similaridade, pois, o molho branco tende a ser mais pesado do que o de tomate, e pede uma bebida no mesmo padrão.

Como fazer harmonização por contraste

Já na harmonização por contraste, como o próprio nome diz, deve prevalecer os sabores diferentes devem ser observados no momento da gustação. Por exemplo, ao servir um prato mais gorduroso, o vinho deve ser mais ácido – algo que ajudará inclusive na digestão. Os pratos salgados pedem vinhos mais doces. Por essas razões, fuja dos vinhos que contêm muito tanino – um tipo de fenol que ajuda na conservação da bebida.  Os taninos não caem muito bem com sal, muito menos com os peixes e as carnes bem passadas.  Neste caso, os vinhos rosés são excelentes pedidas.

Como fazer a harmonização por etnia

Como o próprio nome diz, a harmonização por etnia leva em consideração a origem tanto do prato com a da bebida. Logo, considerar os elementos que fazem parte da composição de cada um deles é essencial! Se o menu for francês, o tinto do tipo Syrah traz o equilíbrio necessário e a harmonização de vinhos perfeita, uma vez que os vinhos que levam esse tipo de uva em sua produção possuem nuances de frutas vermelhas maduras, pimenta-rosa, pimenta-do-reino- branca, anis e carvalho. Assim como escolher vinhos espanhóis, italianos, entre outros.

Agora, é basta preparar seu menu com segurança, bom gosto e harmonização entre os pratos! Tim tim!

Tags
Mostre mais

Cris Oliveira

Cris Oliveira, Empreendedora Digital, Entusiasta da Enologia, Especialista em Língua Portuguesa, Blogueira.

Artigos relacionados

1 thought on “Como fazer harmonização de vinhos sem cometer erros desastrosos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *