Curiosidades

Entenda a diferença entre videira silvestre e videira cultivada

Para os amantes do vinho, conhecer alguns detalhes sobre a uva (como ela é cultivada, quais as características de cada espécie, onde e quando elas podem ser plantadas, as origens de cada uma delas, o que é uma videira) são essenciais para circular com certa segurança pelo mundo enófilo e o porquê desse universo atrair o interesse de tantas pessoas.

De onde vem a uva?

Parece óbvio, mas o primeiro ponto para entender a diferença entre a videira silvestre e a cultivada é saber de onde vem a uva. Ela é o fruto da videira, designação dada às espécies do gênero Vitis – pertencentes a uma família de vigorosas trepadeiras cujos parentes estão espalhados por todo o hemisfério norte. De acordo com especialistas, há cerca de 40 espécies que se assemelham entre si e podem ser incluídas no gênero botânico, cujo nome específico é vinífera. Por sua vez, entendemos por vinífera “o que produz vinho”.

Quantas viníferas existem?

Há várias espécies de viníferas, entre as quais estão a Vitis rupestres (que se desenvolvem em solos mais rochosos), a Vitis riparia (que crescem em margens de cursos de água), e a Vitis aestivalis (que frutifica no verão). Mas, é bom saber que nenhuma delas produz uvas situadas entre as mais doces, ou cujos elementos ácidos transformam o suco em uma bebida agradável e revigorante. Apenas a Vitis vinífera, cujo território natural situava-se às margens persas do rio Cáspio e se estendiam até a Europa Oriental.

Qual a importância de tudo isso?

Mas, você deve estar se perguntando qual é a importância de saber tudo isso para entender sobre vinhos, correto? Veja bem, entender o que é uma videira e quais são as espécies ou subespécies delas nos permitem compreender como foram selecionadas as melhores uvas para a produção dos vinhos existentes hoje. Cabe aqui lembrar que as videiras existem há pelo menos 7.000 anos – ou mais – e que elas já eram cultivadas na região do Cáucaso.

videira uvas

Qual é a origem da videira?

Trata-se de uma planta que tem origem nas regiões meridionais, é muito exigente – precisa de umidade, pouco calor para se desenvolver e aprecia solos mais planálticos. Análises realizadas a partir dos caroços de uvas mostraram que as primeiras videiras eram silvestres, ou seja, nasciam e cresciam sem a necessidade de intervenção humana. Acontece que com a observação dos primeiros povos sedentários, que aguardavam ansiosamente pelo fruto fornecido pela videira, perceberam que seria possível cultivá-la e, o melhor, que a partir do plantio, aproveitariam não somente o fruto, mas o que dele poderia ser extraído: o suco de uva e o vinho.

A videira silvestre versus videira cultivada

A videira silvestre, portanto, é a que deu origem a todas as demais que passaram a ser cultivadas pelos povos antigos. Ela não produzia uvas de alta qualidade nem regularmente. Foi somente com a observação humana e com o cultivo que outras videiras passaram a circular pela região meridional e foram levadas para toda a Europa. A partir disso surgiram as espécies de uvas mais finas como, por exemplo, Cabernet Sauvignon, Merlot, Tannat, Pinot Noir, e as brancas Chardonnay, Riesling, Moscato Giallo, Sauvignon Blanc e muitas outras.

Gostou? Quer saber mais sobre o universo acerca do vinho, inscreva-se gratuitamente em nosso site e receba em seu e-mail todas as novidades! E não se esqueça do nosso Clube Caminhos e Vinhos

Um abraço e tim-tim pra você!

Tags
Mostre mais

Cris Oliveira

Cris Oliveira, Empreendedora Digital, Entusiasta da Enologia, Especialista em Língua Portuguesa, Blogueira.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *