Yandex Metrika
Dicas

2 truques para conservar cada estilo de vinho aberto na geladeira

Nada melhor do que abrir uma garrafa de vinho no momento de fazer aquela refeição especial, ou mesmo para dar uma descontraída em companhia de pessoas queridas. No entanto, é possível que o líquido não seja totalmente consumido durante a reunião. Nessas horas, ficamos na dúvida sobre como proceder para o armazenamento correto da sobrinha na geladeira. Isso porque o vinho é uma bebida sensível e requer cuidados para que sejam garantidas as suas propriedades básicas.

E mesmo que alguns exemplares permaneçam, por anos a fio, deitadinhos nas adegas espalhadas pelo mundo afora, quando o recipiente que o acomoda é aberto, automaticamente ocorre a exposição com oxigênio e todos os seus traços sensoriais – ou seja – o bouquet deles, passam a ser alterados de forma irreversível e em um tempo para lá de expressivo. 

Por isso, é de suma importância aprender a conservar, de tal maneira que continuem recomendados para o consumo. Afinal, não dá para sair desperdiçando vinho, não é minha gente? 

Assim, criamos aqui quase um mini guia para orientar, entre outros, sobre o tempo ideal de consumo após a abertura e como conservar cada estilo de vinho, em particular na geladeira, pois nem todos dispõem de uma adega em casa. Vamos lá?

Tempo ideal para consumo após abertura

A vida útil depende de alguns fatores, essencialmente dentre eles estão, a Denominação de Origem (D.O) e o residual de açúcar. Mas, o que vem a ser esses dois pontos? Pois bem. Primeiro, a Denominação de Origem é um termo correlacionado à vinicultura (ainda que sirva para produção de bebidas e alimentos, de modo geral). 

Quando associado à produção do vinho, é o sistema que confere a procedência e a qualidade à bebida. Todas as que recebem a D.O, contam com as especificações de terroir – ou seja – o cultivo da matéria-prima, as normas e leis que regulamentam o local de sua produção, como foi o processo de colheita e assim por diante. Em outros termos, o D.O seria um tipo de DNA do vinho, que informa até mesmo a composição do solo em que a videira foi cultivada. 

Quanto ao residual de açúcar, este se trata da quantidade de sólidos de açúcar em certo volume de vinho, após o processo de fermentação e de acréscimo da substância. A título de exemplificação, um vinho com açúcar residual de 0,2%, tem dois gramas de açúcar em um litro de vinho. 

Vinhos brancos repousados na geladeira

Vida útil depois de aberto

A vida útil depende, como já vimos, de alguns fatores, porém, é preciso sempre lembrar que, em contato com o oxigênio, o vinho sofre um processo de oxidação, gerando a perda de suas melhores propriedades como sabores e aromas. Quem já teve a experiência de deixar uma garrafa de vinho aberta na geladeira, sabe que, depois de 1 ou 2 dias, a alteração salta às papilas gustativas e olfativas. 

A depender do tipo, nem precisa de muito tempo para que o aroma e o sabor remetam ao vinagre, já que existe a real possibilidade de contaminação por bactérias. Mas que fique claro: o vinho não se transforma em vinagre no interior da garrafa, ele apenas oxida. 

Brancos e Rosés

Várias garrafas de vinho identificadas

Se estivermos operando com os encorpados, como os Chardonnay, Sémillon e Marsanne, dentro da geladeira, com tampa, duram de 2 a 3 dias, no máximo, pelo fato de estagiarem em barricas de carvalho. Trocando em miúdos, eles, naturalmente, já são expostos ao oxigênio há mais tempo que os demais tipos durante o envelhecimento.

Por outro lado, os brancos leves e os rosés, tais quais Sauvignon Blanc, Pinot Grigio e Riesling, duram bem por 3 dias em sistema de refrigeração, graças à acidez deles. No entanto, atenção: podem perder a intensidade de aromas. 

Espumantes

Em média, aguentam firme por 1 ou 2 dias na geladeira, desde que permaneçam vedados com tampas específicas, no intuito de não perderem o gás. Agora, destaca-se que, a depender do processo de elaboração, a durabilidade de uns tende a ser maior que a de outros. Isso fica evidente na Champagne, no Cava e no Prosecco. 

Tintos Encorpados

Cabernet Sauvignon, Malbec e Tannat mantêm-se relativamente bem por 3 a 4 dias na geladeira. Isso porque há a presença de acidez, álcool e taninos em maior volume. Ou seja, quanto maior a concentração desses elementos, maior a durabilidade depois de abertos. 

Tintos Leves

Gamay, Pinot Noir, Carmérnère sem carvalho, desde que devidamente tampados, duram bem – 3 dias – na geladeira. Por terem menos taninos em suas elaborações, o consumo, depois de aberto, não pode ultrapassar essa previsão. 

Madeira, Porto, Jerez

Quanto aos classificados como fortificados, desde que estejam com tampas, aguentam muito bem – entre 15 a 20 dias na geladeira. Isso se dá por terem adição de álcool vínico e uma quantidade relativa de açúcares em suas composições. Este é o caso do vinho do porto.

Vinhos sendo armazenados na geladeira

Truques para manter vinho depois de aberto na geladeira

Agora, veja 2 truques para conservar vinho aberto na geladeira.

Primeiro truque

O basicão para que o vinho não seja desperdiçado é transfer o conteúdo que sobrou para uma garrafa menor. Por exemplo, um vinho com 750ml pode ir para uma garrafa de 375ml. Isto reduz o contato com o ar, evitando a oxidação. Muito cuidado também quanto ao fechamento da garrafa. Por uma questão óbvia, ela deverá ser bem vedada ou com a rolha ou com um fecho hermético. Estes dois cuidados atrasam o processo de oxidação.

Segundo truque

Atente-se à temperatura. Se estivermos falando de uma garrafa de vinho branco ou rosé, o ideal é mantê-la na geladeira, em pé, a uma temperatura média de 6ºC graus. Já no caso dos vinhos tintos, como Merlot e Pinot Noir, eles deverão ficar a uma temperatura de 16ºC, conforme indicam os melhores sommeliers do mundo.

Gostou? Fácil, até, não? Agora, não dá mais para desperdiçar as sobrinhas deliciosas que não são totalmente consumidas. Em todo o caso, se achar que não dará tempo de beber o vinho, use-o para preparar molhos, pratos doces ou salgados. 

Avatar de Cris Oliveira
Cris Oliveira, Empreendedora Digital, Entusiasta da Enologia, Especialista em Língua Portuguesa, Blogueira.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *