Sobre Vinhos

Conheça as etapas da produção do vinho

Aprenda o que precisa para produzir vinho

Conhecer as etapas da produção do vinho nos ajuda a entender como o processo é delicado e requer muita dedicação e, acima de tudo, conhecimento para que não saia nada errado ao longo da produção. Isto porque o processo de vinificação requer, hoje, pouca intervenção, contudo, produtores em todo o mundo orientam a produção do vinho por meio de técnicas em diferentes etapas, as quais irão variar conforme o tipo de bebida.

Veja o passo a passo da produção do vinho

A colheita das uvas

A primeira etapa, por razões quase óbvias, é a colheita das uvas. É nesse momento que o enólogo toma uma série de decisões que irão interferir diretamente nas qualidades da bebida. Entre elas estão a época certa de colher as uvas.

Quando elas são retiradas das videiras antes do tempo, podem produzir líquidos mais ácidos e menos alcoólicos. No entanto, se esse procedimento vier muito mais adiante, tendem a gerar vinhos de menor acidez e mais álcool.

Etapas da produção do vinho - Colheita

Para que a oxidação dos frutos, portanto, não aconteça, os horários da colheita devem ser aqueles em que a temperatura estiver amena. O processo pode ser manual ou não. Mas, cabe ressaltar que ele influencia diretamente no preço final do vinho.

O desengace e esmagamento

Trata-se do processo que dá início à vinificação, ou seja, a produção, de fato, da bebida. Aqui as uvas são colocadas na desengaçadeira ou esmagadeira, cujo objetivo é remover os engaços, o “cabinho” da uva, dos grãos e romper as cascas das uvas. O líquido vai escorrendo de maneira livre, sem que as cascas e sementes sejam esmagadas. Esta etapa da produção de vinho evita que o vinho ganhe certo amargor, e tenha o seu sabor prejudicado. Aqui, surge o famoso mostro da uva.

Prensagem

Nesta etapa, o mostro é levado a uma prensa, onde as cascas e as sementes são separadas do suco. GRAVE BEM: a prensagem é realizada apenas na produção dos vinhos brancos. Os tintos e rosés, porque precisam ganhar cor, pulam esse processo.

Agora, também é bacana salientar que o primeiro suco obtido com a prensagem é o mais nobre, os demais têm menos riqueza de substâncias e são conhecidos como grappa.

Fermentação do vinho

Aqui é o ponto em que o milagre da multiplicação do vinho acontece. Em termos mais técnicos, as leveduras presentes no suco alimentam-se de açúcar natural e se transformam em álcool e dióxido de carbono.

Aqui, o enólogo escolhe fermentar o vinho em tanques de aço inox ou barris de carvalho. A escolha pelo primeiro influencia na preservação do frescor das uvas, garantindo ao vinho maiores sabores de frutas.

Já na segunda, a fermentação em madeira prepara o vinho para amadurecer em barris, tornando-os mais macio ao paladar. Por exemplo, os que são fermentados em carvalho tendem a ser mais claros, menos frutados e ganham aromas e sabores amadeirados.

Fermentação de vinho Cabernet Sauvignon em barris. Clos de l'Obac, Costers del Siurana, Gratallops, Priorato, Catalunha, Espanha.
Fermentação de vinho Cabernet Sauvignon em barris. Clos de l’Obac, Costers del Siurana, Gratallops, Priorato, Catalunha, Espanha.

Trasfega

Após o término da fermentação alcoólica, o vinho é transferido para outro tanque, onde os resíduos sólidos, matéria orgânica, bactérias e leveduras se depositam. Este procedimento, evita que sabores e aromas indesejáveis mantidos na bebida. Em seguida, o líquido, novamente, é transferido para outro recipiente limpo.

Clarificação e estabilização

Quando o processo da fermentação acaba, é preciso estabilizar o líquido ao calor, evitando que ele fique submetido à altas temperaturas se torne turvo, e, depois, estabilizar ao frio, para que não se criem cristais em baixas temperaturas. Além disso, também é realizada uma estabilização microbiológica, para evitar que outras fermentações aconteçam depois do vinho engarrafado.

Amadurecimento

Aqui é a etapa que garante ao vinho amadurecimento. Isto pode ser realizado, assim como na fermentação, em tanques de aço ou de carvalho.

Nos tanques de aço há pouca exposição do vinho ao oxigênio, tornando-o mais fresco. Por sua vez, nos barris de carvalho há maior contato com oxigênio, o que ajuda na redução de taninos e acidez, além de agregar à bebida outros aromas e sabores.

Engarrafamento

Por fim, são envazados e deixados em repouso na vinícola, até estarem prontos para comercialização. Encerrando então o processo de produção do vinho.

Viu como é bem trabalhoso e lento o processo de produção do vinho? Por essas e outras razões sobre as quais trataremos por aqui é que algumas garrafas são bastante caras.

Que tal conhecer uma vinícola de perto e todas as etapas de produção de vinho? Depois, compartilhe a sua experiência conosco!

Tags
Mostre mais

Fernando Kobaia

26 anos, Empreendedor digital, escoteiro, escritor, especialista em segurança da informação, entusiasta de novas tecnologias e amante de vinhos.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Close